Por que as administradoras de condomínios têm uma péssima imagem?

Atualmente, ser palestrante “internacional“ e dizer as mesmas obviedades de sempre virou o hit no mercado de administração condominial.
Com raríssimas exceções, e sarcasmos à parte, posso dizer que existe um limbo entre o que 90% do que muitos destes gurus dizem e o que de fato acontece.

O grande lugar comum dos problemas condominiais é a dita e bendita da responsabilidade civil, criminal, ambiental e aquele blá blá blá juridiquês que serve para assustar os síndicos incautos. Diante de síndicos apavorados, e condôminos sem limites, identifiquei após anos de convivência em todas as frentes, a grande mazela do mercado: o despreparo generalizado das pessoas das equipes de administradoras no atendimento às demandas dos condomínios.

E isso, independe do tamanho da empresa pois, nas grandes empresas do setor, conheço vários gerentes com excelente remuneração porém, em grau de esgotamento físico e mental por atender a mais de 30 condomínios sozinhos, conduzindo assembleias quase que diariamente e criando até uma relação de comodismo profissional; nas pequenas, falta preparo e estrutura para questões elementares, e muitas vezes por conta de baixos salários a mão-de-obra quando sabe escrever bem a língua portuguesa já é um upgrade.

As situações acima ocasionam problemas recorrentes que vão desde boletos pagos em atraso, até ações na justiça envolvendo danos morais por orientações e atitudes errôneas; quando não condenando administradoras a ressarcir condomínios por erros internos.

No final, síndicos e condôminos relatam sempre a mesma percepção negativa independentemente do tamanho da empresa, quase igual ao senso comum da imagem que os bancos tem perante a sociedade: “Tanto faz um ou outro, é tudo a mesma coisa!” Ou seja, será a administradora um mal necessário?
Pela ótica do consumidor podemos até concordar, mas, e para o mercado? Para o mercado, com raríssimas exceções que desenvolveram softwares in house, 90% das empresas usam praticamente os mesmos 03 sistemas: GoSoft, Condomínio 21 ou Superlógica; todas tem 2.ª via de boleto web, apps, departamentos etc…

Pois é meu caro leitor, sabe onde está o erro em toda essa história? A falta de investimento em PESSOAS! Treinar pessoas e tornar a administração de condomínios uma experiência. Sim! Incrivelmente ainda temos empresas que insistem em achar que investir em atualização e treinar colaboradores é um gasto!

Para resolver essa dor do mercado, remodelamos no ICCOND a Certificação Administradoras Top, em 2020 contemplando um plano de atualização e capacitação voltado às principais necessidades das empresas: legislação, convenção e regimento, condução de assembleias, atendimento a clientes difíceis, previsão orçamentária, oratória, DP e RH, dentre outros ou sob medida. Os treinamentos serão ministrados nacionalmente pelos instrutores do ICCOND, reconhecidamente grandes especialistas do segmento. As empresas que passarem pela capacitação serão certificadas como Administradoras Top após cumprir com requisitos documentais objetivos e participar do plano de treinamento e atualização ao longo do ano.

 

Tenho a certeza que sua equipe bem treinada e motivada fará sua administradora diferenciar-se pela excelência, criando uma experiência positiva.

 

Saiba mais:

Artigo escrito por:
Dostoiévscki Vieira Silbonne
Presidente do Instituto Cidades e Condomínios